Pelo menos nas férias... Seguir o Blog!
07/12/2009. HELIO RODRIGUES
Parece mesmo caracterizar o ser humano a constante busca da unidade. Mas, se buscamos unidade é porque definitivamente não somos um. E não somos mesmo. Somos a diversidade, somos o constante convívio entre opostos e são eles que nos alimentam e instigam ao crescimento. Há muitos anos, nos períodos de férias escolares, promovo no meu atelier um contato intensivo entre crianças e a arte. Ultimamente venho pensando que é melhor que seja mesmo intensivo esse contato, porque infelizmente durante o período escolar, as crianças estão cada vez mais distantes do criativo e consequentemente pouco ou nada exercitam o espontâneo, o imaginário, a descoberta de soluções próprias, o jeito pessoal e a confirmação de suas potências. As escolas perderam o contato com a arte; as crianças consequentemente também. Parece que o tempo e o espaço que um dia pertenceram à arte estão hoje ocupados pelo que mais é valorizado pela sociedade contemporânea, a objetividade. Não tenho dúvidas, a objetividade é um importante ingrediente no desenvolvimento dos indivíduos, mas, vale a pergunta: O que pode acontecer a um indivíduo sem o convívio com o que se opõe à objetividade, ou seja: o que é crescer e viver sem a subjetividade? Me preocupa. Objetividade virou receita de conquista. Conquista de que? De coisas? E a conquista de si mesmo, que parece tão alinhada com as práticas subjetivas, em que lugar na vida de nossas crianças ela está sendo praticada? Depende dos pais e das escolas, mas deveria ser o ano todo e para todos. Pelo menos nas férias, vale viver um intensivo contato com o criativo, com o autoconhecimento e com o prazer de fazer diferente. Infelizmente para poucos.
Tags: abstração, abstrato, arte-educação, cognição criativa, identidade, livre brincar, subjetividade






powered by eLearning fit